Fernando A Freire

Amar a dois sobre todas as coisas

Textos

CUIDADO AO VESTIR-SE, CALCINHAS COR DE ROSA DÃO AZAR !


 
- Que história é essa?  Isso não é cueca de homem não, ouviu?!...

Esfreguei os olhos e desejei para ela um Bom-Dia.  Vi-me, na verdade, estranhamente mal vestido (é que no escuro todos os gatos são pardos).  Pra não dar o que falar, vesti o pijama, rapidamente. A noite fora bastante quente e não costumo utilizar o ar condicionado.   Por isso...

- E aí ! . . .  Eu disse que essa coisa com que você está vestido não é cueca pra homem, e você, de pirraça, simplesmente põe um pijama por cima e fica assim mesmo, é ? ! . . .  Vê se se enxerga ! Troque logo essa roupa horrível !  Você sabe que eu não costumo dar ordens, mas desta vez eu exijo: Mude essa cueca antes que . . .

- Querida, você está lembrada de que me deu meia dúzia de cuecas, deste mesmo formato, desta mesma marca, como  presente de aniversário, na semana passada ?  Pois é !  Passei a usá-las agora.  Pensei que fosse alguma coisa moderna, porque sei que você tem bom gosto, né ! . . .

(Quero deixar claro que eu a vesti de propósito).


- Ai, meu amor, não é que eu troquei os pacotes ! . . .  Comprei, na mesma loja: algumas cuecas pra você (as mais bonitas e mais caras, eu juro!) e calcinhas pra nossa empregada, que aniversariou também naquela mesma semana.  E a coitada ficou calada.  Ao menos até agora não me disse nada... 

- É que ela nunca usa nada por baixo... ... ... , acho ! . . .

-  E como é que você  s a a a b e ? ! ? ! ? ! . . .  – O pau cantou.

Pra evitar uma encrenca maior, vesti a roupa de trabalho, apressadamente, mesmo por cima do pijama, peguei o carro e corri para o escritório. Aprendi que "não se discute com mulher quando ela está esbravejando, nem quando está quietinha, orando". O escritório foi meu cano de escape.

Não sei se foi efeito do ligeiro mal-entendido em casa, ou a pressa com que saí, mas o fato é que comecei a sentir um certo desconforto. Não estava bem.  Talvez por não ter me alimentado...

Lá pras tantas, uma ameaça de hipoglicemia:  ligeiro escurecimento de vista. Falei desse mal estar para os colegas, que, assustados, logo acionaram o socorro.  Explicaram à enfermeira atendente o meu esmorecimento e ela recomendou que, por precaução, até a chegada do médico, afrouxassem toda a minha roupa, se possível até a retirassem...

Aí, antes que me despissem, desmaiei. 

Do resto, nada mais sei, a não ser que..., quando acordei, havia uma calcinha cor de rosa e bordada, bem à minha frente, num cabide dependurada  ! . . .

Entendi a brincadeira dos colegas, sim, mas, como vou me explicar ? ! . . .

Alguém sabe como devo explicar:
o meu azar (?),
aliás, o meu ousar (?),
aliás, o mal-enjorcado que fiquei com esse MEU USAR ???...
Fernando A Freire
Enviado por Fernando A Freire em 21/02/2018
Alterado em 20/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ("Autoria de Fernando A Freire - www.fernandoafreire.net").


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras